Cariré-CE está na relação das cidades com risco 3, alto para transmissão da Covid

📸 CARIRÉ: Unidade emergencial para atender pacientes da Covid-19 - Anexo ao HMC

O avanço da vacinação contra a Covid-19 no Ceará tem refletido positivamente nos indicadores do risco de transmissão para a doença. Pela terceira semana seguida, o Estado apresentou melhora nos níveis de alerta da pandemia. As informações estão na plataforma de dados IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

No comparativo entre intervalos dos dias 27 de junho e 10 de julho - período que compreende as semanas epidemiológicas 26 e 27 - e os dias 20 de junho a 3 de julho - semanas 25 e 26 - o número de cidades com risco 'altíssimo' para transmissão do vírus caiu de 121 para 112.

Já para as cidades em alerta de risco 'alto', o número passou de 41 para 51. Para o risco moderado (nível 2), no número quase que dobrou, passando de 11 para 21. Ambos fatores corroboram a melhora no cenário. Os números são da plataforma IntegraSus, da Secretaria da Saúde (Sesa) do Ceará.

Contudo, ainda não há nenhum município no nível de alerta 1, também chamado de 'novo normal'. Ainda assim, o atual cenário cearense é o melhor já registrado pela Sesa há quatro meses.

Nas semanas epidemiológicas 8 e 9, intervalo correspondido aos dias 21 de fevereiro a 6 de março, eram 101 municípios no nível 4 de transmissão, menor número de cidades em alerta máximo desde então.

Apesar da melhora, o alerta ainda reside nos indicadores que ajudam a monitorar a evolução da pandemia no Ceará. Três deles apresentam tendência crescente.

Cidades no risco 2, moderado:

Acarape, Aquiraz, Arneiroz, Camocim, Caridade, Coreaú, Frecheirinha, General Sampaio, Granja, Groaíras, Guaraciaba do Norte, Guaramiranga, Irauçuba, Itarema, Itatira, Marco, Monsenhor Tabosa, Palhano, Pereiro, Santana do Acaraú e Santa Quitéria

Cidades no risco 3, alto:

Viçosa do Ceará, Abaiara, Acaraú, Aiuaba, Alcântaras, Alto Santo, Apuiarés, Assaré, Barroquinha, Baturité, Bela Cruz, Brejo Santo, Cariré, Cariús, Cascavel, Eusébio, Farias Brito, Fortim, Graça, Granjeiro, Hidrolândia, Independência, Ipaporanga, Ipueiras, Itapipoca, Jardim, Jati, Madalena, Maracanaú, Martinópole, Massapê, Meruoca, Milagres, Morada Nova, Moraújo, Mucambo, Novo Oriente, Paramoti, Penaforte, Pindoretama, Pires Ferreira, Potengi, Quixelô, Quixeré, Redenção, São Luís do Curu, Senador Sá, Tauá, Uruburetama, Varjota e Várzea Alegre.

SAIBA QUAIS SÃO AS CLASSIFICAÇÕES DE RISCO
ALTÍSSIMO OU NÍVEL 4

Taxa de ocupação dos leitos maior que 95%; taxa de letalidade maior que 3%; percentual de positividade de testes para diagnóstico de Covid-19 maior que 75%.

ALTO OU NÍVEL 3

Taxa de ocupação dos leitos entre 80,1% e 95%; taxa de letalidade entre 2% e 3%; percentual de positividade de testes para diagnóstico de Covid-19 entre 50% e 75%.

MODERADO OU NÍVEL 2

Taxa de ocupação dos leitos entre 70% e 80%; taxa de letalidade entre 1% e 2%; percentual de positividade de testes para diagnóstico de Covid-19 entre 25% e 49,9%.

NOVO NORMAL OU NÍVEL 1

Taxa de ocupação dos leitos menor que 70%; taxa de letalidade menor que 160; percentual de positividade de testes para diagnóstico de Covid-19 menor que 25%.

FONTE: Diário do Nordeste / Regional


Postar um comentário

0 Comentários